LiveZilla Live Help
Home Profissional Equipe Clínica Transplante Capilar Cirurgia Plástica Parceiros Contato
 
 
CIRURGIA PLÁSTICA

Abdominoplastia - Cirurgia do Abdômen

Ter um abdome bonito e sarado é um dos maiores desejos de nossos pacientes. Mas as gestações, o envelhecimento e alterações no peso corporal podem resultar em excesso de pele, flacidez e estrias no abdome. Em algumas pessoas mesmo a atividade física regular pode não eliminar essas alterações. Para essas pessoas está indicada a Cirurgia Plástica.

A Abdominoplastia (Cirurgia Plástica do Abdome) tem como objetivos:

- a readequação estética da parede anterior do abdome;
- a correção de diástases (fraquezas) da musculatura abdominal e;
- a remoção dos excessos de pele e gordura da porção inferior do abdome.

O principal fator determinante do surgimento desses excessos é a flacidez excessiva da pele, que pode ser geneticamente determinada ou adquirida com a idade, gestação ou após emagrecimento importante.

Dependendo das alterações encontradas a cirurgia indicada pode ser a abdominoplastia clássica, a abdominoplastia extendida ou a miniabdominoplastia. Sendo uma cirurgia que atua diretamente sobre o tecido gorduroso, aconselhamos os(as) pacientes a atingirem seu peso ideal (medido através de seu índice de massa corpórea) antes de serem operados. Desse modo o cirurgião terá condições de realizar uma análise e planejamento pré-operatório mais acurados.

Após o procedimento é recomendado que você mantenha seu peso, pois tanto o aumento quanto a perda maior ou igual a 5% do peso prévio à cirurgia podem comprometer seu resultado de maneira imprevisível.

O aumento da distância entre os dois músculos reto-abdominais (músculos verticais que compõem a parede anterior do abdome, estendendo-se da região do estômago até a pubiana) é chamado de diástase muscular. Isso resulta numa fraqueza da parede anterior do abdome geralmente ocorrendo após gestações ou situações que aumentam muito o volume abdominal. Essa fraqueza da parede abdominal também pode ser amenizada durante a cirurgia, desde que não existam contraindicações (pacientes obesos e/ou portadores de doenças pulmonares ou cardíacas).

A cirurgia é realizada geralmente por anestesia peridural ou geral. A escolha do tipo de anestesia envolve critérios clínicos, que serão avaliados e informados para você durante sua consulta.

A cicatriz principal localiza-se no abdome inferior, estendendo-se de uma crista ilíaca (porção anterior e lateral do osso do quadril) à outra. Cicatrizes maiores ou menores poderão ser utilizadas dependendo de cada caso. Eventualmente pode ser necessária uma pequena cicatriz vertical subindo da porção central da cicatriz principal em direção ao umbigo. No caso de o umbigo precisar ser reposicionado poderão existir cicatrizes ao seu redor.

AS PERGUNTAS MAIS COMUNS QUANTO A ESTA CIRURGIA SÃO:

1) Quantos quilos vou emagrecer com a cirurgia plástica?

Sendo uma cirurgia que retira determinada quantidade de pele e gordura, evidentemente haverá uma redução no peso corporal, que varia de acordo com o volume do abdome de cada paciente. Não são, entretanto, os “quilos” retirados que definirão o contorno estético, mas sim as proporções que o abdome mantiver com o restante do tronco e os membros.

Paradoxalmente, os abdomes que apresentam melhores contornos estéticos são justamente aqueles em que se fazem as menores retiradas. A maioria das mulheres apresenta certa “flacidez” do abdome após um ou vários partos, com predominância de pele sobre a quantidade de gordura localizada na região. Estes casos nos permitem excelentes contornos.

Em outros casos, em que o paciente está com o peso acima do normal, o contorno também será compensatório e proporcional ao restante do corpo; entretanto, vale a pena lembrar que “excesso de gordura” em outras regiões vizinhas do abdome ainda existirá, o que nos leva a aconselhar àquelas que assim se apresentem a prosseguir com um tratamento clínico (dieta, orientação alimentar) ou fisioterápico (drenagens linfática, musculação), para equilibrar as diversas partes entre si.

É importante a prática de atividade física, que dependerá de sua idade e condicionamento físico, e quando possível deverá ser realizada inclusive no período pré-operatório, pois a musculatura estando adequada auxiliará na correção das diástases (afastamento) musculares.
          
2)  Como ficarão as cicatrizes?

A cicatriz resultante de uma cirurgia plástica de abdome localiza-se horizontalmente logo acima da implantação dos pelos pubianos, prolongando-se lateralmente em maior ou menor extensão, dependendo do volume do abdome a ser corrigido, podendo haver em alguns casos uma pequena cicatriz vertical na parte inferior do abdome acima do púbis.

Esta cicatriz é planejada para ficar disfarçada sob as roupas de banho (há casos, mesmo em que a própria “tanga ou biquíni” poderão ser usados), e infalivelmente passará por vários períodos de evolução.

Nos casos de abdominoplastia pós-cirurgia de redução do estômago, a cicatriz localiza-se horizontalmente logo acima da implantação dos pelos pubianos, prolongando-se lateralmente, associada à cicatriz vertical desde a região do estômago até a cicatriz horizontal, resultando numa cicatriz em formato de âncora.

Certas pacientes podem apresentar tendência à cicatrização patológica (cicatriz hipertrófica e quelóides: cicatrizes endurecidas, avermelhadas e dolorosas). Este fato deverá ser discutido, durante a consulta inicial, bem como suas características familiares. Pessoas de pele clara tendem a desenvolver menos este tipo de cicatrização, mas ninguém está livre de tê-las.

Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar tais cicatrizes, na época adequada. A cicatriz hipertrófica ou quelóide não deve ser confundida, entretanto, com a evolução natural do período mediato da cicatrização.

Qualquer dúvida a respeito da sua evolução cicatricial deverá ser esclarecida durante seus retornos pós-operatórios, quando pode ser feita a avaliação da fase em que se encontra.

3)  Em quanto tempo atingirei o visual definitivo?

Nos primeiros meses após a cirurgia poderá haver um edema (inchaço) que mascara o resultado definitivo. Seguindo as recomendações pós-operatórias o resultado já será muito próximo ao final com 6 meses embora o resultado definitivo possa demorar de 12 até 18 meses.

4)  Como ficará meu umbigo?

Existem duas possibilidades. Pode ser realizado o reposicionamento do seu umbigo original ou criado um novo umbigo. A vantagem deste último é que não há cicatrizes externas. A escolha de qual tipo será feito depende de sua anatomia e será lhe informada antes da cirurgia.

5)  Poderei ter filhos novamente? O aspecto final seria prejudicado?

A cirurgia plástica do abdome não interfere em sua fertilidade. Entretanto, caso venha a engravidar o resultado estético de sua cirurgia será alterado.

6)  Há riscos nesta operação?

Todo ato médico inclui um risco variável e a Cirurgia Plástica como parte da Medicina, não é exceção. Pode-se minimizar o risco preparando-se convenientemente cada paciente, mas não eliminá-lo completamente.

7)  As fotografias pré-operatórias são importantes?

A melhor maneira de se avaliar o objetivo obtido é através da comparação entre as fotografias pré e pós-operatórias, realizadas em padrões fotográficos semelhantes nesses dois períodos. As fotografias fazem parte de seu prontuário médico.

8)  Qual é o tipo de anestesia utilizado nesta operação?

Podem ser utilizadas a anestesia geral ou peridural, a critério do cirurgião e anestesista.  Você será consultado(a) previamente pelo anestesista, é a chamada consulta pré-anestésica em que ele avaliará seus exames e fará orientações sobre a anestesia. Nesta oportunidade você deverá retirar suas dúvidas em relação à anestesia.
 
9)  Quanto tempo demora o ato cirúrgico?

Em média de 3 a 4 horas. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-anestésica.

10)  Qual é o tempo de internação?

Dependendo do tipo de anestesia e cirurgia empregados, em torno de 24 a 48 horas, sempre se levando em conta o conforto e segurança do paciente.

11)  São utilizados curativos?

Sim. Curativos especiais trocados periodicamente pela equipe do cirurgião.

12)  Quando poderei tomar banho completo?

Geralmente após 2 dias.

13)  Quando são retirados os pontos?

A retirada dos pontos poderá ser iniciada a partir do sétimo dia, e completada em média com duas semanas. Esse tempo varia de pessoa para pessoa, pois o processo cicatricial não pode ser previamente determinado.

14)  Qual a evolução pós-operatória?

Até que se consiga atingir o objetivo almejado, diversas fases evolutivas são características deste tipo de cirurgia. Deste modo edemas (inchaço), “manchas” de infiltrado sanguíneo, hipersensibilidade de algumas áreas e insensibilidade de outras são comuns a todos os pacientes, evidentemente, alguns pacientes apresentarão estes fenômenos com maior ou menor intensidade que outros.

O seu organismo se encarregará de dissipar esses pequenos transtornos.

Toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida ao seu cirurgião, que lhe prestará os esclarecimentos necessários para sua tranquilidade. Um curto período de “depressão emocional” poderá ocorrer nos primeiros dias, geralmente transitório e decorrente da ansiedade em ser atingir o aspecto final o quanto antes. Tenha paciência. Lembre-se que nenhum aspecto da cirurgia poderá ser avaliado antes de pelo menos 3 a 6 meses de pós-operatório.

15)  Quando poderei voltar às atividades normais?  

Em média após um mês da cirurgia, exceto atividades físicas (exercícios) que poderão ser retomadas após 3 meses.

 
 
PRÉ-AVALIAÇÃO VIRTUAL

Acesse nossa pré-avaliação virtual! Esta ferramenta auxiliará no diagnóstico do seu caso. Lembramos que é essencial uma consulta com a nossa equipe e que esta ferramenta não substitue a necessidade de uma avaliação pessoal.
 
ÚLTIMAS NOTÍCIAS

26/10/2014

Assista ao vídeo do procedimento de implante capilar realizado pelo Dr. Mário Rodrigues

...
     
© Copyright 2012 Dr. Mário Rodrigues – Cirurgia Plástica